Boa notícia para os consumidores brasileiros: a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira (5) uma redução de até 37% nos valores das bandeiras tarifárias a partir de 16 de março.

A medida, que visa aliviar o bolso dos brasileiros em um momento de alta inflação, deve resultar em uma economia média de R$8,37 por mês para cada residência, o que vai ser ótimo, considerando que a conta de luz é uma das despesas que mais tem pesado no orçamento das famílias brasileiras.

O que são as bandeiras tarifárias?

As bandeiras tarifárias são um sistema de cobrança que visa repassar aos consumidores os custos extras com a geração de energia, quando o cenário não é favorável, como em meses de seca em que o nível de chuvas é baixo, por exemplo.

Publicidade
Publicidade

 As cores das bandeiras indicam o nível de custo adicional:

  • Verde: sem custo adicional
  • Amarela: R$2,98 por 100 kWh
  • Vermelha 1: R$6,24 por 100 kWh
  • Vermelha 2: R$9,49 por 100 kWh

Redução nas bandeiras tarifárias aprovada

A Aneel não aciona as bandeiras tarifárias amarela e vermelha desde abril de 2022, último momento de crise hídrica no país que afetou a produção de energia nas termoelétricas.

Com isso, a agência divulgou oficialmente nesta terça-feira (5) que irá reduzir gradualmente o custo das bandeiras tarifárias na conta de luz dos brasileiros.

Publicidade

Bandeira amarela com desconto: A principal mudança diz respeito à bandeira amarela, a mais comum no país. O valor de referência, que atualmente é de R$29,89 por megawatt-hora (MWh), passará para R$18,85/MWh, uma queda de 37%. Isso significa que, para cada 100 kWh consumidos, o consumidor pagará R$11,06 a menos.

Outras bandeiras também recuam: As demais bandeiras tarifárias também sofrerão reduções, mas em proporções menores. A bandeira verde, que não tem custo adicional, permanece inalterada. Já a bandeira vermelha patamar 1 terá queda de 31%, passando de R$62,40/MWh para R$44,63/MWh. A bandeira vermelha patamar 2 terá redução de 20%, de R$94,90/MWh para R$78,77/MWh.

Fatores que influenciaram a decisão

A decisão da Aneel foi tomada com base em diversos fatores, como:

  • Condições hidrológicas favoráveis: as chuvas acima da média nos últimos meses aumentaram o nível dos reservatórios das hidrelétricas, que são a principal fonte de energia do Brasil
  • Aumento da geração de energia renovável: a geração de energia por fontes renováveis, como a solar e a eólica, também vem crescendo no Brasil, o que ajuda a reduzir os custos de produção de energia
  • Queda no preço dos combustíveis fósseis: o preço do petróleo e do gás natural, que são usados para gerar energia térmica, caiu no mercado internacional, o que também contribuiu para a redução das bandeiras tarifárias

Impacto para os consumidores

A redução das bandeiras tarifárias é uma boa notícia para os consumidores brasileiros, que já vinham enfrentando um aumento significativo na conta de luz nos últimos meses. A medida deve ajudar a aliviar o orçamento das famílias e estimular o consumo de energia consciente.

No entanto, os especialistas alertam que os consumidores ainda devem manter o consumo de energia consciente. A economia de energia não só ajuda a reduzir a conta de luz, como também contribui para a preservação do meio ambiente.